Histórias de Motel: A recompensa
06/05

Histórias de Motel: A recompensa

Histórias de Motel

Eu sabia que tinha que tê-lo no momento em que abri a porta ao som daquela batida firme e me deparei com aquele homem todo másculo.

“Vim consertar a sua pia, querida’’ ele disse, como se fosse uma fala vinda direto de um filme pornô. Talvez eu tivesse ficado imune a esse tipo de fala se eu não tivesse passado a manhã escrevendo meu último conto de erotismo e sedução, mas meus personagens eram tão reais para mim, as situações que eu criei tão vívidas em minha imaginação, que o efeito físico era tão intenso como se fosse eu quem estivesse bem ali. Na verdade, eu não conseguia terminar uma história sem ter que satisfazer a mim mesma, e como eu não tinha um marido ou namorado para cuidar do meu desejo, eu sempre me fiz esperar, até depois de meus personagens estarem também satisfeitos , de forma que o meu próprio desejo, minha própria necessidade sexual pudesse se transmitir para a história que eu estava escrevendo.

E era justamente nessa parte que eu estava quando ele bateu na porta: se aproximando do clímax da cena, com umidade no meio das pernas, coçando para ser tocada. E então eu me pego olhando para esse homem lindo com meu coração disparado, meu corpo pedindo para ser tocado, e me perguntando se ele tinha sido enviado como algum tipo de intervenção divina para saciar a todas as minhas necessidades.

“Err, sim, com certeza, a cozinha é por aqui “, eu murmurei, e ele seguiu a minha mão apontando para a minha pequena cozinha, onde ele foi e começou a descarregar as ferramentas e examinar minha pia. Ele mal olhou para mim. Eu olhei para baixo. É claro que ele não tinha olhado, eu estava usando minha calça de ginástica toda desalinhada e sem nem um pouco de maquiagem.

“Umm, quanto tempo você acha que vai demorar?”, Perguntei.

“Cerca de uma hora mais ou menos”, respondeu ele, sem olhar para cima.

“Ok, eu estava a caminho do banho, depois volto” Eu esperava que a menção do banho pudesse provocar algum tipo de reação, mas nada. Apressei-me para o banho, resistindo à vontade de permanecer ali. Isso, é claro, levou a imagens dele no chuveiro comigo, me ensaboando-se, passando as mãos sobre a minha pele. Eu estava quase chorando com a luxúria na hora que saí do banheiro, que eu estava a ponto de ir andando completamente nua e me jogar em cima ele. Mas eu não podia ser tão descarada … sutileza era necessária, pelo menos até que eu tivesse certeza de que ele estava afim.

Passei um pouco de maquiagem, e coloquei um vestido soltinho e curto, deixando os cabelos soltos e voltei a cozinha.

“Como está indo? ”

“Está tudo bem amor”, ele respondeu, sem sequer olhar para cima.

“Posso lhe servir um chá, café?”, Perguntei, colocando a chaleira no fogo para ferver. Por que isso é muito mais difícil na vida real do que nas histórias que eu escrevo? Fiz-lhe uma xícara de café e voltei para o meu escritório, em frente à cozinha, derrotada. Ele não tinha sequer olhado para mim.

Então me veio a cabeça: Eu não poderia ter a minha recompensa ainda, porque eu não tinha terminado a minha história ainda. Sentei-me na minha cadeira e abri meu laptop, animada. Re-lendo o último parágrafo, me disparando com o que eu tinha escrito. Os dois principais personagens estavam sozinhos na sauna do Motel Dallas. Sua boca estava em seu peito, sua língua circulando seu mamilo ereto quando sua mão escorregou para dentro de seu biquíni, seu dedo provocando seu clitóris inchado. Minha própria mão encontrou seu caminho inferior enquanto eu lia, traçando suavemente meu ponto e então minha respiração acelerou. A mulher continuou a acariciar a palpitante ereção do homem com a mão debaixo d’água quando ele empurrou um dedo dentro dela, depois dois. Eu gemia como meu personagem gemeu. Eu senti o calor subindo para minhas bochechas. Eu balancei minha pélvis em minha cadeira e digitei com uma mão apenas.

Foi então que eu o vi. Ele estava me observando da cozinha. Eu estava tão perdida em minha história que eu não tinha percebido todo o barulho que eu estava fazendo. Ele ainda estava ajoelhado no chão, mas agora ele estava de frente para mim, sua boca aberta. Eu estava muito longe de sentir vergonha ou embaraço, eu virei minha cadeira de frente para ele, e contei o que eu estava fazendo.

Ele se levantou e caminhou em minha direção, interessado e pediu para dar uma lida. Depois, para a minha surpresa, ele comentou positivamente sobre a minha história e perguntou sobre o Motel Dallas, que era o local onde minha estória acontecia, se era um lugar real.

“ Sim, é real, e inspirador, quer conhecer?” – Eu disse. Eu não morava muito longe do motel Dallas e tinha algumas histórias próprias que passei por lá, então era de fato, um lugar que me inspirava. E para me deixar ainda mais surpresa, ele disse que sim.

Peguei meu carro com ele e fomos então até o motel, já certa do que iria acontecer. Uma vez no motel Dallas, ele perguntou se eu precisava de mais inspiração, com a voz rouca, parado na minha frente.

“Oh, eu preciso muito mais do que uma inspiração”, eu respondi, e abri o zíper dele, encantada ao descobrir que ele estava no clima. Seu pênis duro pulou fora, pronto para a ação, e ele gemeu quando eu o levei na minha mão e comecei a acaricia-lo, enquanto eu brincava comigo ao mesmo tempo. Eu provei a cabeça de seu pênis com a minha língua enquanto eu acariciava para cima e para baixo, e o gemido profundo dele desencadeando novos fogos de desejo dentro de mim. Levantei-me e o beijei, e ele me beijou de volta, com força. Nossas línguas se chocando, nossos lábios esmagando-se uns contra os outros em um frenesi. Eu não podia esperar, eu precisava dele. Eu empurrei meu corpo ao dele, e então ele me virou e colocou a mão nas minhas costas, me curvando sobre a cama, e arrancando minha roupa, mostrando minha sexy lingerie roxa e minha vagina escorrendo. Ele manteve a mão nas minhas costas, me empurrando para baixo, enquanto puxava minha calcinha para o lado, e empurrou com força dentro de mim sem nenhum aviso.

“Oh, sim!” Eu gritei. Isso era o que eu queria. Isso era o que eu precisava. Isso era o que eu merecia, droga! Ele começou a bombear dentro de mim, seu pênis longo, grosso e duro, enchendo-me perfeitamente, mas deslizando facilmente em minha umidade. Enfiei a mão entre minhas pernas e toquei o meu clitóris enquanto ele fazia sexo comigo cada vez mais forte, mais e mais profundamente, batendo contra mim. Eu empurrei meu corpo de volta contra ele a cada curso, precisando dele ainda mais profundo, com todo o meu corpo vivo e em êxtase. Eu finalmente então permiti que as ondas de orgasmo tomassem conta de mim, gritando enquanto fazia sexo com esse estranho. Ele resmungou e soltou um grunhido animal, as mãos segurando meus quadris e me puxando ainda mais forte para ele, até que finalmente ele se lançou, jorrando seu líquido dentro de mim.

Eu sorri, exausta e satisfeita, sabendo exatamente qual seria a minha próxima história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *