Histórias de Motel: Irresistível
19/05

Histórias de Motel: Irresistível

Histórias de Motel
“Eu estou sem calcinha o dia todo …”, ela sussurrou em meu ouvido enquando passava por mim,  arrastando a mão em meus ombros.

“Você está um pouco atrevida.” Eu murmurei, baixando lentamente o documento que estava lendo.

Já tínhamos nos arrumado para sair do Motel Dallas depois de 2 dias lá. Mas depois disso, coloquei de lado as coisas de trabalho, e afrouxei minha gravata de novo e a segui até a bancada.

Ela estava de costas pra mim, na ponta dos pés tentando alcançar um copo de vinho, com sua saia levantando e mostrando suas tentadoras, pálidas e macias coxas.

Fui andando vagarosamente em direção a ela, com meus olhos se perdendo em suas curvas, e parando para se fixar na sua bunda vistosa e redonda. O pensamento dela andando por aí, indo almoçar comigo mais cedo, com aquela saia e sem nada por baixo era o suficiente para fazer coçar por dentro da calça.

Linda e impertinente garota.

Eu parei atrás dela. Hesitando um pouco, ela pegou o copo. A deixei colocar o copo sobre o balcão antes que eu colocasse as mãos em cada lado dela, cercando ela.

Então abaixei a boca para sua orelha. “O que devo fazer com você?” Meus lábios roçaram em seu pescoço provocando um arrepio pelo corpo dela e eu sorri. Ela estava no limite e ela só tinha a si mesma para culpar. Eu deveria deixá-la sozinha por um tempo, fazê-la sofrer um pouco, mas o pensamento de que estava debaixo daquela já me deixava excitado e querendo.

“Você está pensando no meu pênis o dia inteiro?”

“Eu não sei do que você está falando.” Ela disse afetada.

“Eu aposto que você está molhada e escorregadia o dia inteiro, não é?” Eu me afastei um pouco para que minha mão pudesse acariciar sobre sua bunda. Então eu ouvi sua respiração e vi as mãos dela segurando a borda do balcão.

“Aposto que você está se coçando para ter ele agora, latejante e dentro de você” Fui descendo a minha mão para baixo em sua perna até que cheguei ao fundo da saia. Peguei nela e, lentamente, a puxei até as coxas, observando as pernas e parte inferior sendo reveladas, lambendo os meus lábios em desejo com a visão daquelas curvas.

Deus, como eu amo aquela bunda dela. Poderia me divertir e brincar com ela por horas, lambendo, mordendo, estapeando-a.

Mas isso é para uma outra hora, porque nesse momento minha mulher está ofegante, se contorcendo e desesperada.

“Você quer gozar?”

“Sim.” Ela sussurrou, com todo o esforço de se conter desaparecendo agora.

“Abra suas pernas e coloque para fora essa sua bunda linda.”

“Oh Deus!” Ela gemeu, imediatamente fazendo como eu pedi.

Havia algo sobre ela nessa posição que apenas deixava minha mente completamente maluca. Pernas retas, ombros erguidos, inclinada para frente com sua cabeça para baixo, e sua bunda totalmente a mostra. Esperando.

Eu apertei e flexionei a minha mão, esticando os dedos. Eu sabia o que ela precisava.

O primeiro tapinha arrancou dela um suspiro e deixou uma leve e perfeita marca de mão rosada em sua pele. O sexto a fez sair de si: “Oh Deus! Oh Deus! “Mais e mais, e pelo décimo segundo sua cabeça estava para baixo e ela estava ofegante. Eu sabia que ela estava chegando lá já que podia ver a umidade entre suas pernas. Meu pênis estava se esforçando para sair da calça, mas eu estava me esforçando para segurar um pouco mais.

Dei uma leve espancadinha de novo, movendo minha outra ao redor de seu corpo para tocar seu clitóris. O esfreguei com força, enquanto continuava a lhe dar tapinhas na bunda já toda rosa.

Sua cabeça voou para trás e ela gemeu alto e em bom som. Ela poderia fazer melhor do que isso.

Então eu abri mais as suas pernas e entrei com tudo nela, enquanto continuava a massagear seu clitóris. Ela gritou o seu prazer do orgasmo. E eu sorri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *